56% das mulheres do agro ganham menos que os homens, diz pesquisa



Hoje, cerca de 1 milhão de mulheres administra negócios rurais no país, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério da Agricultura. As propriedades sob a batuta das gestoras somam 30 milhões de hectares.


Mas elas ainda são minoria: 80% das fazendas são administradas por homens.


As diferenças aparecem também em relação ao salário e ao acesso a financiamento, de acordo com uma pesquisa exclusiva realizada pela Agroligadas, entidade de mulheres do agronegócio, a multinacional Corteva Agriscience, a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e o Sicredi.


O levantamento, feito com 408 mulheres que atuam no agronegócio, mostra que 56% das representantes femininas do setor acredita ganhar menos do que os homens.


E um terço afirma ter menos facilidade para obter empréstimos bancários do que seus pares masculinos.


A mulher costumava ficar escondida e não se achava tão capaz”, diz Geni Caline, presidente da Agroligadas. “O salário é só consequência, mas isso está mudando”.


Confira a matéria completa em #Exame


📷 Calan Sanderson